Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for 19 de Abril, 2008

O tempoTempo… esta palavra que muitos usam mas que dizem não o ter.

Enganam-se aqueles que dizem que não têm tempo.. Nós somos o tempo, o tempo está marcado em cada um de nós.

Somos fruto do tempo, do nosso próprio tempo.

Nascemos num tempo que fica sempre marcado em nós, que nos define, crescemos num tempo que nos alimenta a personalidade, e vamos vivendo num tempo que nos muda a cada segundo e nos transforma mediante o que ele trás consigo.

Tempo esse que passa sem esperar… tempo que deixa as suas marcas em nós, no nosso corpo e na nossa alma.

Só nos apercebemos disso quando recordamos o nosso passado, em fotografias, e relembramos o quanto jovens eramos. Mas, nesse mesmo momento, olhamo-nos ao espelho e notamos que o nosso corpo mudou, que o nosso rosto também mudou.

Fruto do tempo, do passar do tempo por nós.

E lá vão aparecendo, silenciosamente, aquelas pequenas linhas, a que chamamos rugas. Essas tais rugas não são sinónimo de velhice, mas sim de tempo passado, de marcas do tempo da nossa vida.

Cada uma dessas linhas comportam palavras que formam frases, que só nós podemos ler e entender.. Frases essas que retratam a nossa história, a história da nossa vida.

Ainda há aqueles que, cirurgicamente, teimam em mudar o corpo para apagar as linhas do tempo.. Podem realmente conseguir parecer mais novas do que são, mas o passar do tempo continua, e continuará, sempre presente nelas, mais que não seja, nas suas almas.

Quando olhamos para a face de um idoso, carregada de linhas do tempo, podemos ver o quanto o ele passou por elas, o quando o tempo as marcou.

Todas elas transportam consigo um acumular de experiências, de vivências, de histórias, ou seja, de uma vida completa.

«Envelhecer» é o caminho normal das coisas, e é o tempo que nos leva a esse caminho.

Cada um de nós pode, e deve, atenuar o tempo, já que não o podemos eliminar.

Para isso, só depende de nós aproveitar esse mesmo tempo ao máximo, gozando cada hora dele, brincando com cada minuto, rindo dos seus segundos e vivendo com alegria os seus milésimos de segundo.

Todos os dias, dia após dia..

Para que no final, quando voltarmos a olharmo-nos ao espelho, possamos ler nas nossas linhas, frases de felicidade e de uma vida vivida ao máxima, sempre com alegria.

Sejamos felizes, o tempo não espera por nós!

Marta Costa

Read Full Post »

A CidadeCidade, onde eu moro e onde eu quero deixar morada!

A minha cidade, o Porto.

És uma caixinha de supresas onde posso guardar e encontrar coisas que só eu entendo.

Tu, que guardas um passado só teu e que albergas inumeras pessoas, todas elas com fisionamias diferentes, mas não te importas… e prova disso, é que todos os dias tentas dar o melhor de ti a cada uma delas.

Só tu, consegues cativar-me a sair de casa e a percorrer, sem destino, o teu corpo, cheio de linhas, as estradas.

E, desse modo, vou apreciando tudo aquilo que tens para me presentear…

As pessoas, que em ti habitam e que vão dando continuidade à tua existência.

As casas, algumas bonitas, outras menos bonitas, mas todas unidas, como uma familia global.

Os jardins, apesar de cada vez haver menos espaços verdes, os que ainda sobrevivem em ti, dão-te beleza natural o que te faz ainda mais bonita.

As pontes, que são elos de união entre partes do teu corpo e que nos permitem apreciar-te de um ponto alto em que tudo em ti parece diferente… desse modo, dás-nos então, uma visão magnifica de ti.

As estátuas, que são como sinais do tempo espalhados pelo teu copo. Tempo esse, que passou por ti, e que deixou as suas marcas.. e em memória disso e daqueles que ajudaram a desenhar o teu corpo, e para que não caia no esquecimento, eis a razão desses teus sinais, as estátuas.

Os rios, as tuas veias, que te abraçam rumo ao mar, onde, se entregam em ondulações constantes.

Os teus segredos, mas, esses, sõ são visiveis à noite. Onde te tornas explendida de brilho e luz. É à noite que me atrais ainda mais, e não resisto em sair para ver como és na ausência do sol e na presença da lua…

E, aí fico encantada, pois és ainda mais bonita debaixo de um céu escuro e repleto de estrelas onde a lua toma o papel principal.. o de te iluminar e mostrar a todos nós o quanto és bela.

Mas, há algo que te sufoca, algo que quer matar o que tens de belo… e esse algo, todos nós sabemos o que é… a maldita poluíção!

Marta Costa

Read Full Post »