Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘alma’

sobrevivenciaO dia começou bem cedo, e lá no alto o amigo Sol já espreita por entre as núvens, que adivinham formas nos nossos pensamentos.

 

 

 

Cá em baixo, a azáfama das pessoas já é notória, a cada passo dado nas ruas da cidade.

Todos correm de um lado para o outro, com as suas faces a expressarem sonolência e contradição em voltar a mais um dia de stress de trabalho.

As suas expressões são reflexo dos seus pensamentos, que teimam em as acompanhar naquela correria toda.

De um lado para o outro, a agitação é vivida entre a poluição atmosférica de cada cigarro, e sonóricamente pelos buzinares impaciêntes dos carros que formam filas infinitas nas ruas que deliniam a cidade.

E, no meio de tanta confusão, lá estás tu!

Num canto escolhido por ti, num canto só teu.

Estás tu sentado sobre o cimento sujo e frio, do qual dedicas todas as horas do teu dia.              

E lá estás tu!

Com o teu ar cansado e ferido do tempo, que foi dificilmente duro para contigo. Os teus olhos sem brilho inquietem-se de um lado para o outro, num movimento de observação constante às pessoas que por ti passam.

O teu corpo sujo e cansado, teima em não se mexer, e obriga-te a ficar aí, encostado no teu canto das lamentações.

Pobre de ti!

No meio de tanta alma, sentado no canto só teu, tentas, com humildade, chamar a atenção de quem passa por ti e que teima em não te oferecer um simples olhar, ou um honesto sorriso.

Contudo, não estás só!

Em tua companhia está um ser puro e meigo que não desiste em partilhar contigo as horas que compõem o vosso dia.

E lá está ele!

Sempre aninhado a teu lado e a olhar-te com admiração e carinho.

Admiração, por continuares a tua luta diária pela vida, que um dia foi cruel contigo. E carinho, porque um dia lhe consideraste como amigo, e partilhaste o teu cantinho com ele. Para que juntos, e unidos, possam lutar por cada dia das vossas vidas.

E lá continuas tu!

A tentar, com humildade, cativar o olhar deste e daquele, que cruza no teu canto. Mas, infelizmente, não tens tido muito sucesso.

Embora, em certos momentos, apareça uma alma que te dá um pouco de atenção e, desse modo, enche o teu coração de alegria e esperança.

Lamentavelmente, no momento seguido a essa alegria, surge outra alma que te olha com pena e desprezo.

E nesse mesmo instante, consegue fazer com que a tua alegria desapareça, dando lugar à frustração e à vergonha.

Vais-te a baixo!

Consequência disso, abrandas a tua força de esperança, e ficas aí sentado apenas a desabafar com o teu amigo inseparável.

No meio de tantos desabafos e lágrimas, como de que transmissão de pensamentos, esse teu amigo, sincero amigo, transmite-te uma nova força e vontade de lutar, tamanha é a expressão do seu olhar.

Sim, ele é a tua fonte de energia!

Com isso, logo de seguida, levantas os olhos ao mundo, e continuas a luta pela vida, ou por um pouco de vida.

Apesar de tudo, é bom ver e saber, que ainda há pessoas fortes de espírito e com força de lutar, independentemente da situção e condição.

Pessoas que, tal como tu, não baixam os braços por causa de olhares penosos e desprezíveis, de pessoas que só o fazem porque na realidade têm medo. Medo de um dia serem como tu.

Temem só pelo teu aspecto, pelo teu ar, pois no que toca ao teu dom interior, é algo que elas admiram por não o possuírem. Consequência de não sabem lutar pela vida, tal como tu.

Chegada a hora limite do dia, todos se recolhem em suas casa com as suas familias.

E tu continuas aí!

Continuas no teu canto, com a tua familia, o teu amiguinho e companheiro de luta. Aí ficas à espera de mais um nascer de um novo dia, um novo dia de luta pela vida.

E assim será, até ao teu último suspiro, que ditará a tua partida para um mundo melhor. Aquele mundo que todos desejam conhecer, mas que só alguns o conhecerão, e tu serás um deles… Terás direito a esse tão desejado mundo.

Nesse dia, deixarás para trás o teu cantinho, para assim, dares lugar a outro ser como tu.

Até lá, e durante a tua luta diária, passarei, respeitosamente, diante do teu canto, e irei oferecer-te, sempre, o meu mais honesto sorriso, acompanhado de um olhar, sincero, de força e admiração.

Dedico este texto a um sem-abrigo, que vive a sua luta diária num canto da nossa cidade e pelo qual tenho admiração e carinho.

Dedico igualmente aos outros como ele, sem-abrigos, que vivem nas nossas ruas, e que foram  esquecidos pelo nossos, ditos, governantes.

Sem-abrigos que lutam diáriamente pela sua sobrevivência e por um pouco de vida.

Ele, e muitos como ele, são o exemplo, vivo, de que as aparências iludem. E muito!

Quem anda, por aí, bem parecido e cheio de bens materiais, muitas vezes, são os que vivem numa pobreza imensa de espírito e coração.

E, na verdade, os pobres de bens, são milionários no seu coração e espírito.

Que Deus os ajude e proteja!

Masta Costa

Read Full Post »

«Desgosto», uma palavra só mas com um significado tão forte.

Sempre ouvi falar nesta palavra, sempre ouvi frases compostas por ela. Mas o que eu nunca senti foi o seu verdadeiro significado.

Significado esse que doí e magoa a alma.

Sim, infelizmente, e recentemente, descobri o que significa a palavra «desgosto».

É realmente desgostoso alguém, por vontade própria, ferir o nosso coração e magoar a nossa alma…

Mas porquê?

Porquê? Se a vida foi feita  para todos.

Porquê? Se o direito de lutar pela felicidade, é igual para todos.

Porquê? Se o livro Sagrado diz que somos todos filhos de um só Pai, ou seja, somos todos irmãos.

Porquê? Se deveríamos ser uns para os outros.

Porquê?…

Pois, ninguém me sabe responder..

Nem mesmo tu!!

Não duvido disso, pois foste tu quem me fez descobrir o que é sentir um grande desgosto, que obriga o meu coração a chorar de tanta dor.

Sim, foste tu!!!

Tu, que quando vieste para o meu mundo nada eras, não tinhas nada nem amor por ti mesma.

Tu, a quem eu sempre de mim dei, para que descobrisses o que é a vida.

Tu, a quem eu ensinei o que é a verdadeira felicidade e o que ela nos faz sentir.

Tu, por quem eu abdiquei de inúmeras coisas, colocando-te sempre acima de tudo e de todos, para que nada te faltasse.

Tu, que sempre foste protegida por mim, e só por mim. Pois via-te como uma menina triste, que eras, e perdida neste mundo de loucos.

Tu, que sempre eras ignorada e criticada pelos outros, menos por mim. Nunca liguei ao que os terceiros diziam de ti, pois sempre acreditei que toda a gente merece oportunidades de vida.

Tu, que sempre foste fechada no teu mundo e que sempre fugias do «público», tamanho era o complexo de ti mesma.

Tu, a quem dei tudo o que podia, e até com o meu tecto te abriguei, e meus amigos e familia partilhei.

Fico-me por aqui, pois ficaria horas e horas a ditar o que sempre fiz por ti, para te ver e fazer feliz, pois só aí eu poderia ser igualmente feliz.

Em suma, olhava-te como uma menina por quem eu criei um laço afectivo, forte e honesto, ao ponto de te chamar, e considerar,  uma verdadeira irmã.

Erro meu!!!

Fui enganada durante muitos anos, pensando que estaria a fazer as coisas certas por um ser que nunca conheceu, verdadeiramente, a vida.

Erro meu, doloroso erro!!!

Erro que hoje sinto na pele. Quanto fui ignorante em acreditar nas tuas palavras. Palavras que em momentos me soavam a honestidade, e que reflectiam a tua gratidão por tudo. Mas que palavras… Foram sim, palavras falsas, para me fazeres acreditar que estavas realmente grata comigo.

Nunca te pedi nada, nem um só «obrigada!».

Simplesmente te pedia para olhares a vida como ela realmente é, como eu te mostrava. E pedia para lutares por ti, e pelos teus sonhos, pois todos têm o direito de sonhar e realizar os seus sonhos.

Que idiotice a minha!

Tanto, para nada.

Tanto, para no final, quando já tinhas o que nunca tinhas conseguido até então, cuspires no prato que sempre te alimentou. Sem vergonha ou remorso algum.

É triste, é mesmo triste existir pessoas como tu.

Tu, sim, bem sabes que falo de ti.

Quero dizer-te que não guardo rancor, nem nada que se pareça, pois sempre fiz o que devia fazer.

Cumpri a minha missão.. O que fiz por ti, faria por qualquer pessoa. E continuarei a fazer, pois acredito que neste mundo haverá pessoas bem melhores que tu. Pessoas que vivam com a felicidade dos outros, e não como tu, que só vive com a infelicidade alheia.

Contudo, apesar deste doloroso desgosto, que me fez sofrer muito, confesso aqui, que fico feliz, porque dei a um ser o que ele sozinho nunca conseguiria. 

E tu, se és feliz, guarda essa felicidade.

Deus queira que seja por muito tempo.

Sabes porquê?

Porque se assim o for, irás sempre lembrar-te de mim, e sempre pela positiva. O que eu já não poderei dizer o mesmo de ti…

Aproveito, desde já, para dizer-te que hoje morres em mim.
(…)
E a vocês, caros amigos, lembrem-se sempre:

«Amar o próximo é um modo de vida, é uma benção. Mas mantenha sempre aquele pézinho atrás, pois ninguém quer o nosso bem mais do que nós mesmos.» 

Autor desconhecido

Marta Costa

Read Full Post »

solidãoNo decorrer da nossa passagem nesta vida, vamos encontrando momentos de alegria mas também, de tristeza e desânimo.

Quando contamos a alguém os momentos de alegria que tivemos, sempre incluímos outras pessoas, pois são essas mesmas pessoas que nos ajudam a construir os tais momentos de felicidade.

Mas, em contrário, já os momentos de tristeza e desânimo, são preenchidos somente por nós, e pelas nossas horas de pranto. Raros são os casos em que envolve pessoas.

Isto tudo tem a sua razão de ser.. Razão essa, que na minha opinião não faz sentido algum..

Muitos dos nossos momentos de tristeza acontecem porque nos chateamos com alguém, ou porque perdemos alguém que nos era querido, porque a vida não nos corre bem, ou porque simplesmente não temos ninguém para falar, desabafar… ninguém mesmo.

A realidade disso é que, infelizmente, as pessoas só estão unidas para o bem.. pois quando o «mal» afecta uma dessas pessoas, as outras afastam-se sem lhes prestar o apoio que deveriam.

Desse modo, quem vê essas pessoas a afastarem-se, acaba por cair na solidão. Solidão que ninguém merece e que ninguém deveria saber e/ou sentir o seu significado.

Sentir-se na solidão é sentir que o elo que nos une a alguém se quebrou e que dificilmente nos unirá ao mundo.

É perdemo-nos de nós mesmos, é estarmos na escuridão e vermos a nossa imagem, como filhos naturais da escuridão.

Solidão é perdemos a nossa alma e procurá-la em vão.

Solidão é vivermos num mundo que é nosso, só nosso e feito à nossa imagem, só para nós.

Mundo esse que ninguém ousa a entrar e que dificilmente nos conseguimos libertar. Libertação essa, deveras dificil, que se deve ao facto de a solidão se tornar a única companheira, e fiel, daqueles que um dia caíram nesse mundo.. o mundo da solidão.

Tudo isto acontece porque somos «abandonados» por aqueles que sempre nos rodearam, mas que naquele momento, em que algo de mal corre nas nossas vidas, essas mesmas pessoas recolhem as suas mãos e deixam-nos cair no abismo da solidão.

Deve ser triste viver em plena solidão, sem alegria de viver, somente com nós mesmos e com a nossa dor.

Nada disto existiria se olhassemos com olhos de esperança e interajuda para quem tem problemas, pois amanhã poderemos ser nós a passar pelo mesmo e a precisar de uma mão amiga…

Deveríamos ser uns para os outros em todos os momentos das nossas vidas.. Nos bons momentos, como também nos maus momentos.. Pois é nos momentos menos bons das nossas vidas, que vemos realmente o carácter das pessoas que nos rodeiam..

Nada é mais inconstante nesta vida do que a própria vida, mas devemos olhar os problemas como provas, e tentar encontrar a solução desses mesmos problemas. Mas, isto só será possível com o factor «união», pois sozinhos não somos nada, ninguém.

Sempre que alguém estiver em baixo, triste ou desanimado, vamos estender sempre as nossas mãos, para assim ajudarmos o próximo.

E desse modo, evitaremos que a solidão se propague por este mundo, e que afecte muitas pessoas que têm o mesmo direito que todos nós.. sermos felizes em união com o mundo e com as pessoas!

Marta Costa

Read Full Post »

O amor é um sentimento que domina todos os outros. Diria que é o rei dos sentimentos.

Houve um dia, alguém que disse, «o amor é cego»!

Palavras sábias de alguém que certamente amou,e  que decerto sentiu o que é sentir o verdadeiro amor.

O amor verdadeiro é cego, em todos os sentidos, cego porque não escolhe idades, cego pois não vê barreiras, ultrapassa-as, cego porque não escolhe sexos, cego porque não faz combinações de cores, ou seja, não é racista, cego porque não escolhe as pessoas pela sua fisionomia, cego porque para ele os bens materiais são algo dispensável.. entre outras coisas.. ele é cego..

Para sentir o amor dentro de nós, basta abrir o coração e deixar que o sentimento cresça e permaneça.

Claro, que para amar é necessário aprender, primeiramente, a amar, mas isso é algo que a vida nos ensina.

Nem todos conseguem sentir o verdadeiro amor por alguém, consequência do comodismo. Quando há amor dentro de nós, há que cultivá-lo e mantê-lo sempre no seu estado mais saudável… Lutar diariamente por um amor, é a melhor receita para que este se fortifique, e para que, assim, permaneça sempre em nós.

Sentir amor, é amar, é parar no tempo para pensar em alguém. É disponibilizar a nossa atenção por alguém. É admirar o par todos os dias, como se o dia de ontem tivesse sido há um século.

Sentir amor por alguém é estar em harmonia com esse alguém, é trocar a raiva pela compaixão, é partilhar pequenos momentos, mas que se tornam únicos.

Sentir amor por alguém é partilhar músicas que ficarão recordadas em cada lembrança, é dar as mãos e sentirmo-nos seguros por termos o nosso amor bem ali ao lado.

Sentir verdadeiro amor é entregar-se mutuamente de corpo e alma sem receito ou complexo.

Sentir amor por alguém é dedicar cada pensamento a esse alguem, é dedicar horas de saudades, e contar os segundos pelo reencontro.

Amar alguém de verdade é saber ouvir esse mesmo alguém, e passar horas a falar mesmo sem tema de conversa, somente para sentir a voz da pessoa amada.

Amar de verdade alguém, é partilhar a vida com esse alguém.

Infelizmente, muitas pessoas desiludem-nos pois abdicam de um amor, que acreditavam ser verdadeiro, por motivos que um amor verdadeiro nunca ligaria.

Motivos esses que passam pela fisionomia das pessoas, ou pelo materialismo.

É uma realidade cruel, mas que é real.

Está errado.. O amor verdadeiro, aquele que é cego, não encontra barreiras nem motivos para deixar de viver.

Para isso serve a luta, lutar pelo amor, para que nada nem ninguem o possa destruiur ou fragilizar.

E, para que isso seja possivel, há que haver união e força de vontade para lutar.

Amor que é verdadeiro é forte como as ondas do mar.. Ondas essas que até as rochas perdem a sua força..

E é assim que deve ser sempre amor.. forte como as ondas do mar.

Nunca deixem que nada nem ninguem destrua ou fragilize o vosso amor, só a vocês ele pertence e só a vocês cabe defendê-lo e honrá-lo.

Sejam felizes e encontrem o verdadeiro amor.. aquele que é cego!

Marta Costa

Read Full Post »

O tempoTempo… esta palavra que muitos usam mas que dizem não o ter.

Enganam-se aqueles que dizem que não têm tempo.. Nós somos o tempo, o tempo está marcado em cada um de nós.

Somos fruto do tempo, do nosso próprio tempo.

Nascemos num tempo que fica sempre marcado em nós, que nos define, crescemos num tempo que nos alimenta a personalidade, e vamos vivendo num tempo que nos muda a cada segundo e nos transforma mediante o que ele trás consigo.

Tempo esse que passa sem esperar… tempo que deixa as suas marcas em nós, no nosso corpo e na nossa alma.

Só nos apercebemos disso quando recordamos o nosso passado, em fotografias, e relembramos o quanto jovens eramos. Mas, nesse mesmo momento, olhamo-nos ao espelho e notamos que o nosso corpo mudou, que o nosso rosto também mudou.

Fruto do tempo, do passar do tempo por nós.

E lá vão aparecendo, silenciosamente, aquelas pequenas linhas, a que chamamos rugas. Essas tais rugas não são sinónimo de velhice, mas sim de tempo passado, de marcas do tempo da nossa vida.

Cada uma dessas linhas comportam palavras que formam frases, que só nós podemos ler e entender.. Frases essas que retratam a nossa história, a história da nossa vida.

Ainda há aqueles que, cirurgicamente, teimam em mudar o corpo para apagar as linhas do tempo.. Podem realmente conseguir parecer mais novas do que são, mas o passar do tempo continua, e continuará, sempre presente nelas, mais que não seja, nas suas almas.

Quando olhamos para a face de um idoso, carregada de linhas do tempo, podemos ver o quanto o ele passou por elas, o quando o tempo as marcou.

Todas elas transportam consigo um acumular de experiências, de vivências, de histórias, ou seja, de uma vida completa.

«Envelhecer» é o caminho normal das coisas, e é o tempo que nos leva a esse caminho.

Cada um de nós pode, e deve, atenuar o tempo, já que não o podemos eliminar.

Para isso, só depende de nós aproveitar esse mesmo tempo ao máximo, gozando cada hora dele, brincando com cada minuto, rindo dos seus segundos e vivendo com alegria os seus milésimos de segundo.

Todos os dias, dia após dia..

Para que no final, quando voltarmos a olharmo-nos ao espelho, possamos ler nas nossas linhas, frases de felicidade e de uma vida vivida ao máxima, sempre com alegria.

Sejamos felizes, o tempo não espera por nós!

Marta Costa

Read Full Post »

Older Posts »