Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘culpa’

criseCrise, crise e mais crise!

Nos últimos tempos, nos intervalos das novidades e de notícias, ditas chocantes, lá se vai falando de crise.

Todos se dizem basear em estatísticas e previsões, que indicam que, todos nós, vamos ser «invadidos» por uma época não muito positiva. Uma época de crise.

Crise disto, crise daquilo e mais crise de não sei quê!

Verdade ou não, não sabemos ao certo o que nos espera neste novo ano, que há pouco começou e que há muito foi agoirado pela previsão de uma crise.

Contudo, já se faz sentir, em algumas pessoas, as previsões dadas pelos, ditos, governantes deste país.

Falam eles, de aumentos!

Dos preços, de bens de primeira e última necessidade, das dívidas que duplicam, do desemprego que aumenta, da precariedade que se faz ouvir cada vez mais, entre outras coisas, que por sua vez, também fazem aumentar o medo das pessoas.

Mas, nem tudo aumenta!

Diminuem também algumas coisas como, os postos de trabalho, a qualidade de vida das pessoas, o poder de compra de cada cidadão, e isto tudo leva a uma diminuição do bem-estar e felicidade de cada um.

Esta globalização de previsões, em que algumas já são notórias, gera um clima de insatisfação entre os Portugueses, que culpam este e aquele, por termos chegado ao ponto de viver uma crise.

De quem é a culpa? Minha, tua, nossa, deles ou de todos nós?

Bem, isso não sabemos, mas a verdade é que todos nós temos um pouco de culpa e influência em tudo que diz respeito ao nosso país.

E porquê procurar um culpado? Que mudará se for encontrado um culpado?

Nada, não mudará nada.

A verdade é só uma, só nós podemos mudar esta situação e não permitir que a Sra. Crise faça parte das nossas vidas.

A crise pode aumentar alguns elementos necessários para a nossa vida, como já vimos, e pode igualmente, diminuir outros, que por sua vez também fazem parte da nossa sobrevivência.

O importante, no meio deste cenário todo, é procurar, em cada um de nós, o melhor meio de conseguir ultrapassar esta fase complicada que nos faz aumentar o medo do que está para vir.

Venha o que vier, cada um de nós tem que lutar contra esta corrente de negativismo, e não deixar de sonhar o que sempre sonhou.

É preciso ter em mente, que nada nem ninguém tem mais força que os nossos sonhos e do que a nossa força de liderança nas nossas vidas.

Possivelmente, muitos de nós, irá viver, talvez pela primeira vez, a experiência da pobreza, que jamais pensariam vivê-la. Mas, é nesse momento crítico que deveremos unir forças e lutar contra essa instabilidade.

A crise pode instalar-se e abalar a nossa estabilidade financeira, e por conseguinte, a do nosso país.

Contudo, devemos lutar, unidos e em força, para que essa mesma crise não abale os valores de cada um, e que tenhamos sempre em mente que a união faz a força.

Desse modo, se estivermos unidos, nesta fase menos boa, veremos a crise com outros olhos. Passaremos a vê-la como um trampolim que nos ajudou a reconhecer que, unidos, conseguiremos ultrapassar qualquer obstáculo que se coloque no nosso caminho da felicidade e bem-estar.

Juntos, faremos desta crise um motivo para reunir as nossas forças e a nossa capacidade de lutarmos pelo que realmente queremos.

E, certamente, queremos um bem comum, a felicidade de toda a gente e um país com cidadãos lutadores, e com força de vencer a cada negativismo da vida. Cidadãos que jamais cruzam os braços a coisas negativas.

Com tudo isto, iremos com toda a certeza, ver a Sra. Crise com os seus dias contados, e os nossos medos derrotados.

Vamos ter esperança num futuro melhor, e que estes tempos difíceis venham somente para nos ajudar a crescer interiormente e a unirmo-nos cada vez mais.

Pois lembrem-se que sozinhos nada somos, e juntos somos tudo, e tudo alcançaremos!

Marta Costa

Anúncios

Read Full Post »

embora_doa

Algum tempo atrás, ia eu de viagem, num dia irónicamente chuvoso, quando passou na rádio uma música que me fez ouvir com plena atenção.

 

Música essa que, a cada letra caía involuntáriamente uma lágrima dos meus olhos.

Fiquei o dia inteiro a pensar e a repensar naquela música e na sua letra, que era riquíssima na sua tradução.

A minha inquietação só parou quando, finalmente, consegui encontrar e ouvir vezes sem conta a música, juntamente com o seu videoclip.

Acredito, sinceramente, que todos que a ouvirem, irão reflectir bem na letra, e verão que todas as palavras transmitidas musicalmente, têm a sua realidade e verdade na nossa actualidade.

O tema principal da música é a guerra.

Essa palavra tão destrutiva que o Homem, um ser dito humano, decidiu um dia criá-la e colocá-la em prática.

Triste verdade, o próprio Homem criou algo para se auto-destruir, quando podia criar algo que desse paz ao mundo.

Destruição essa que só cria ódio e sofrimento entre famílias, religiões, povos, em suma, entre o mundo.

Embora vão para as televisões falar que a guerra é um mal, e que deve acabar duma vez por todas, que fez o homem para realizar isso?

Que fez o Homem até hoje para que a guerra fosse algo do passado?

Que fez o Homem para extinguir a guerra e globalizar a Paz?

Nada, nada fez.

Nada foi feito porque o ouro é sempre bem mais forte que qualquer outro motivo existente.

Matam-se crianças, idosos, jovens, animais, por causa da ganância de quem muito tem, mas que não olha a meios para alcançar além do que já possui.

Contudo, e ironicamente, não são essas pessoas que colocam o corpo ao manifesto.

Não, não são elas. Esses gananciosos, os senhores da guerra, enviam filhos de boa gente para lutarem pelos seus próprios interesses, mesmo que isso lhes custe a vida, mesmo não tendo culpa..

E porque não vão eles? Porque não enviam os próprios filhos?

Não o fazem porque é sempre mais fácil mandar fazer do que fazer.

Não o fazem porque querem evitar o sofrimento da própria família, preferindo causar sofrimento na família alheia.

Que realidade revoltante.

Mas que fazemos nós para mudar isto tudo? Que fazemos?

Nada, não fazemos igualmente nada.

Ficamos somente a lamentar toda a destruição que é vivida em sofrimento, em muitos sitios da Terra. Ficamos a olhar através da janela do mundo, a ver o sangue de quem não tem culpa a escorrer só por um nome… pelo dinheiro.

Tal como diz a música, «…embora doa nada fiz para mudar, embora doa nada vai mudar… embora doa não me faz perder o sono,…»

É triste, mas é verdade.

Se não fizermos nada a guerra continuará eternamente.

É bem verdade e será sempre esta verdade que iremos viver.

Caros amigos, aproveito para vos deixar a música de que vos falei.

Espero que a ouçam com calma e atenção, para poderem reflectir sobre ela.

Klepht – “Embora Doa”

Marta Costa

Read Full Post »