Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘mundo’

esperar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No decorrer do percurso, na caminhada da vida, somos obrigados voluntariamente, ou involuntariamente, a cumprir certas e determinadas acções.

Muitas dessas acções são uma mera imposição de compromissos, dos quais somos os principais protagonistas.

Todos agem e actuam em prol de algo que faz parte, ou irá fazer parte, das suas vidas.

As acções, que praticamos, são seguidas de um momento em que nada nos resta fazer.

Esse momento é, meramente, caracterizado pela espera.

Esperar que os resultados, das nossas correntes acções, se desenvolvam e  tragam o que nós esperavamos ou desejavamos.

Contudo, há certas acções que, cada um de nós, poderia exercer para que os resultados fossem positivos, num modo global.

Em toda a nossa existência, vivemos alguns momentos de espera, os quais não trazem melhorias na qualidade de vida, e por conseguinte, não favorecem a qualidade da saúde do Mundo.

Toda a gente tem os seus momentos de espera.

Todos esperam pelo autocarro; esperam por um táxi; esperam, ansiosamente, sentados nos seus carros, por um sinal luminoso verde, para poderem seguir em frente nos seus caminhos.

Há ainda, pessoas que esperam por um telefonema, por uma carta ou, até mesmo, esperam desesperadamente, pelo fim do mês.

Estas pessoas, têm os seus tais momentos de espera, dos quais são, em grande parte, imposições da vida.

No entanto, há elementos da vida, que poderíamos mudar, em conjunto, se dedicássemos mais tempo aos actos, e menos à espera.

Porquê esperar, que alguém, um dia, acabe com a destruição do Planeta?

Quando podemos, juntos, agir para mininizar essa destruição.

Para assim, um dia mais tarde, tornar essa mesma destruíção extinta, e dar uma longa vida ao nosso Planeta.

Porquê esperar, que as boas acções, para com os outros, sejam praticadas por alguém bondoso?

Quando podemos, ser nós essa pessoa bondosa, e ajudar o próximo e quem necessite, tal como também seremos ajudados, e amparados, quando  precisarmos.

Desta forma, tornaremos o mundo repleto de habitantes de bom coração, e com bem-estar pessoal e social.

Porquê esperar, que os animaizinhos tenham, num futuro, uma existência feliz e descansada?

Quando podemos, juntos e unidos, acabar com as crueldades contra esses seres magnificos, que têm tanto direito de viver, tal como cada um de nós.

Assim, viveríamos em plena harmonia com os animais, e acabaria a extinção de muitas espécies, que sem culpa estão a ser vítimas nas nossas mãos.

Porquê esperar, que, um dia, um inventor qualquer, crie uma máquina que purifique a atmosfera?

Quando podemos, nós mesmos, abdicar, em momentos desnecessários, do carro e passear a pé. Poderíamos largar o vício poluídor do tabaco, que é simplesmente como mini-chaminés a poluir o ar. E, poderíamos minimizar os nossos desperdícios, para acabarmos com as, inúmeras, lixeiras a céu aberto.

Com tudo isto, melhoraríamos a qualidade do ar que respiramos, e diminuiríamos a poluíção da atmosfera.

Porquê esperar, que a violência e as drogas, acabem por obra divina do Espirito Santo?

Quando poderíamos ajudar aqueles que, se deixam levar pelos maus caminhos da vida, como também, poderíamos alertar quem se encontra «às portas» desses mesmos, desencaminhadores, caminhos.

Se assim o fizéssemos, seríamos uma comunidade familiar, onde a confiança entre todos era, pacificamente, algo de união e força.

Viveríamos, sem medos e receios.

Ou seja, instalar-se-ia a Paz e Harmonia, onde o bem-estar se tornaria global pelo Mundo.

Porquê esperar, que as coisas boas se tornem realidade, quando nada fazemos para que elas sejam, na verdade, algo de comum para todos?

Em vez de aguardarmos que, um dia, alguém se lembre de tornar real, o que mais desejamos, em algo visível ou, até mesmo, em algo que possamos sentir, deveríamos ter como hábito comum de vida, as acções que são positivas ao melhoramento da nossa vida, da vida dos outros, e à vida do Mundo.

Para quê esperar, quando podemos deixar essa mesma espera de lado, e «trabalharmos», para que a Felicidade e Paz seja um bem digno, e ao alcance, de todos.

Mas, para isso, não se pode deixar que a «espera», seja um hábito global de mero comodismo.

Há que lutar para que, juntos e unidos, possamos mudar e melhorar o que de mal, e errado, há no Mundo a que todos pertence e, por conseguinte, na vida de todos nós.

Podemos ser pró-activos, ou envelhecer à espera que actuem por nós.

Marta Costa

Anúncios

Read Full Post »

bem-estarFeliz daquele que sabe o quer, sem se deixar levar pela «violência» das ofertas.

E daquele que sabe escolher o caminho correcto, em direcção ao que sonhou, e que sempre desejou, um dia, alcançar.

Nem toda a alma viva sabe, de bom modo, estar em harmonia e comunhão com tudo e com todos, e principalmente, consigo mesmo.

Mas, feliz é aquele, que constrói diariamente, luta a luta, o seu bem-estar pessoal e a sua harmonia espiritual.

No mundo de hoje, vão-se perdendo os sentidos do que é, na verdade, o bem-estar e a harmonia.

Muitos deixam-se levar pelas lamentações de que o dinheiro, que escasseia, lhes prejudica a vida, trazendo-lhes um mal-estar, e um desespero constante.

Um desespero que, em muitos casos, transforma-se em actos inconscientes de violência e de vandalismo. Tudo em nome daquele mal, a que muitos anseiam, gananciosamente, obter.  O dinheiro!

«Bem-estar», um motivo pelo qual muitos deixam de olhar a meios para atingir o dinheiro que, segundo eles, lhes trás o tal «bem-estar».

Mas, como designam eles, esse «bem-estar»?

O que é para eles o «bem-estar» na vida?

É terem dinheiro, para poderem exibir os seus bens materiais, de forma arrogante e imperiosa.

É gastar, esse mesmo dinheiro, em bens de segunda e terceira necessidades. (e alguns desses bens, nem à classe da «necessidade» pertencem.)

Dinheiro… dinheiro, e mais dinheiro!

Erradamente, vivemos com esta realidade, plena, de ganância e de materialismo.

Um erro, fatal, a que muitos se sujeitam, e que os leva pelo caminho do pecado e do abandono social.

Tudo isto, faz com que as suas almas e os seus espíritos, vivam num desesperante conflito interior.

O bem-estar, e a harmonia, não se conquistam através dos bens materiais, e afins, concedidos pelo dinheiro.

E, não são bens de posse material, mas sim de posse, interiormente, espiritual.

O bem-estar, é acordar todos os dias e olhar, com paz, para o mundo e para a vida.

É ajudar o próximo, sem esperar algo em troca, na esperança de dar um sorriso a quem mais precisa.

É conquistar o respeito dos outros, como também saber respeitar-se a si mesmo.

E, no fundo, é deitarmo-nos todas as noites, de consciência tranquila, após um dia de actos saudavelmente correctos e honestos..

Esse respeito é, simplesmente, o sinónimo de comunhão espiritual e de comunhão para com os outros.

O bem-estar, é um bem, meramente pessoal, do qual é preciso «trabalhar» continuamente, praticando o bem e actuando em conformidade, e virtude, com as coisas boas da vida, deixando o mal na parte de fora do seu «eu».

É saber «fechar a porta» ao mal, com as armas do bem!

Evitando, assim, que o que há de maligno na vida, seja eliminado pelo poder, infinito, do bem e dos actos praticados por ele.

Toda esta luta, comporta consigo troféus e virtudes para toda a nossa vida, e para a dos que nos rodeiam.

Como, também, gratifica-nos com a comunhão com Deus.

No final podemos, vitoriosamente, receber o que muitos anseiam alcançar, mas que poucos se esforçam para o conseguir.

O bem-estar pessoal e a harmonia espiritual!

Se, todos praticássemos os bons actos, para conquistar as coisas boas da vida, entraríamos rapidamente, na harmonia com vida.

Pois, desse modo, quando nos olhassemos ao espelho, veríamos no nosso reflexo uma pessoa, saudavelmente nova, por dentro e por fora.

O bem-estar é sentirmo-nos bem connosco mesmos, não pela aparência, mas pela pessoa que somos, e pelo que fazemos por nós, e pelos outros.

Ao vermo-nos dessa, honrada e maravilhosa, maneira podemos então entrar no nosso mais intimo ser, e encontrar a Paz e a harmonia espiritual, que sempre desejamos encontrar.

Deus disse um dia:

«Amais-vos uns aos outros…(..) Só assim, entrais no reino de Deus…»

Isto só é possível se, primeiramente, amarmo-nos a nós mesmos, como seres mortais, pelos nossos actos mas também pelo que somos, e não pelo que possuímos.

Partindo daí, podemos ter, finalmente, a liberdade de amar o próximo, tal como Deus ama cada um de nós.

Este quadro de afectividade e amor, leva a uma purificação do nosso ser, e a uma harmonia plena com Deus e com o mundo.

Em suma, se todos pintássemos este magnifico quadro, em nossas vidas, viveríamos em Paz connosco e com os outros, reflectindo essa mesma Paz e harmonia ao mundo!

Pensem nisto, vale bem a pena, pois nunca é tarde para mudar!

Marta Costa

Read Full Post »

embora_doa

Algum tempo atrás, ia eu de viagem, num dia irónicamente chuvoso, quando passou na rádio uma música que me fez ouvir com plena atenção.

 

Música essa que, a cada letra caía involuntáriamente uma lágrima dos meus olhos.

Fiquei o dia inteiro a pensar e a repensar naquela música e na sua letra, que era riquíssima na sua tradução.

A minha inquietação só parou quando, finalmente, consegui encontrar e ouvir vezes sem conta a música, juntamente com o seu videoclip.

Acredito, sinceramente, que todos que a ouvirem, irão reflectir bem na letra, e verão que todas as palavras transmitidas musicalmente, têm a sua realidade e verdade na nossa actualidade.

O tema principal da música é a guerra.

Essa palavra tão destrutiva que o Homem, um ser dito humano, decidiu um dia criá-la e colocá-la em prática.

Triste verdade, o próprio Homem criou algo para se auto-destruir, quando podia criar algo que desse paz ao mundo.

Destruição essa que só cria ódio e sofrimento entre famílias, religiões, povos, em suma, entre o mundo.

Embora vão para as televisões falar que a guerra é um mal, e que deve acabar duma vez por todas, que fez o homem para realizar isso?

Que fez o Homem até hoje para que a guerra fosse algo do passado?

Que fez o Homem para extinguir a guerra e globalizar a Paz?

Nada, nada fez.

Nada foi feito porque o ouro é sempre bem mais forte que qualquer outro motivo existente.

Matam-se crianças, idosos, jovens, animais, por causa da ganância de quem muito tem, mas que não olha a meios para alcançar além do que já possui.

Contudo, e ironicamente, não são essas pessoas que colocam o corpo ao manifesto.

Não, não são elas. Esses gananciosos, os senhores da guerra, enviam filhos de boa gente para lutarem pelos seus próprios interesses, mesmo que isso lhes custe a vida, mesmo não tendo culpa..

E porque não vão eles? Porque não enviam os próprios filhos?

Não o fazem porque é sempre mais fácil mandar fazer do que fazer.

Não o fazem porque querem evitar o sofrimento da própria família, preferindo causar sofrimento na família alheia.

Que realidade revoltante.

Mas que fazemos nós para mudar isto tudo? Que fazemos?

Nada, não fazemos igualmente nada.

Ficamos somente a lamentar toda a destruição que é vivida em sofrimento, em muitos sitios da Terra. Ficamos a olhar através da janela do mundo, a ver o sangue de quem não tem culpa a escorrer só por um nome… pelo dinheiro.

Tal como diz a música, «…embora doa nada fiz para mudar, embora doa nada vai mudar… embora doa não me faz perder o sono,…»

É triste, mas é verdade.

Se não fizermos nada a guerra continuará eternamente.

É bem verdade e será sempre esta verdade que iremos viver.

Caros amigos, aproveito para vos deixar a música de que vos falei.

Espero que a ouçam com calma e atenção, para poderem reflectir sobre ela.

Klepht – “Embora Doa”

Marta Costa

Read Full Post »

sobrevivenciaO dia começou bem cedo, e lá no alto o amigo Sol já espreita por entre as núvens, que adivinham formas nos nossos pensamentos.

 

 

 

Cá em baixo, a azáfama das pessoas já é notória, a cada passo dado nas ruas da cidade.

Todos correm de um lado para o outro, com as suas faces a expressarem sonolência e contradição em voltar a mais um dia de stress de trabalho.

As suas expressões são reflexo dos seus pensamentos, que teimam em as acompanhar naquela correria toda.

De um lado para o outro, a agitação é vivida entre a poluição atmosférica de cada cigarro, e sonóricamente pelos buzinares impaciêntes dos carros que formam filas infinitas nas ruas que deliniam a cidade.

E, no meio de tanta confusão, lá estás tu!

Num canto escolhido por ti, num canto só teu.

Estás tu sentado sobre o cimento sujo e frio, do qual dedicas todas as horas do teu dia.              

E lá estás tu!

Com o teu ar cansado e ferido do tempo, que foi dificilmente duro para contigo. Os teus olhos sem brilho inquietem-se de um lado para o outro, num movimento de observação constante às pessoas que por ti passam.

O teu corpo sujo e cansado, teima em não se mexer, e obriga-te a ficar aí, encostado no teu canto das lamentações.

Pobre de ti!

No meio de tanta alma, sentado no canto só teu, tentas, com humildade, chamar a atenção de quem passa por ti e que teima em não te oferecer um simples olhar, ou um honesto sorriso.

Contudo, não estás só!

Em tua companhia está um ser puro e meigo que não desiste em partilhar contigo as horas que compõem o vosso dia.

E lá está ele!

Sempre aninhado a teu lado e a olhar-te com admiração e carinho.

Admiração, por continuares a tua luta diária pela vida, que um dia foi cruel contigo. E carinho, porque um dia lhe consideraste como amigo, e partilhaste o teu cantinho com ele. Para que juntos, e unidos, possam lutar por cada dia das vossas vidas.

E lá continuas tu!

A tentar, com humildade, cativar o olhar deste e daquele, que cruza no teu canto. Mas, infelizmente, não tens tido muito sucesso.

Embora, em certos momentos, apareça uma alma que te dá um pouco de atenção e, desse modo, enche o teu coração de alegria e esperança.

Lamentavelmente, no momento seguido a essa alegria, surge outra alma que te olha com pena e desprezo.

E nesse mesmo instante, consegue fazer com que a tua alegria desapareça, dando lugar à frustração e à vergonha.

Vais-te a baixo!

Consequência disso, abrandas a tua força de esperança, e ficas aí sentado apenas a desabafar com o teu amigo inseparável.

No meio de tantos desabafos e lágrimas, como de que transmissão de pensamentos, esse teu amigo, sincero amigo, transmite-te uma nova força e vontade de lutar, tamanha é a expressão do seu olhar.

Sim, ele é a tua fonte de energia!

Com isso, logo de seguida, levantas os olhos ao mundo, e continuas a luta pela vida, ou por um pouco de vida.

Apesar de tudo, é bom ver e saber, que ainda há pessoas fortes de espírito e com força de lutar, independentemente da situção e condição.

Pessoas que, tal como tu, não baixam os braços por causa de olhares penosos e desprezíveis, de pessoas que só o fazem porque na realidade têm medo. Medo de um dia serem como tu.

Temem só pelo teu aspecto, pelo teu ar, pois no que toca ao teu dom interior, é algo que elas admiram por não o possuírem. Consequência de não sabem lutar pela vida, tal como tu.

Chegada a hora limite do dia, todos se recolhem em suas casa com as suas familias.

E tu continuas aí!

Continuas no teu canto, com a tua familia, o teu amiguinho e companheiro de luta. Aí ficas à espera de mais um nascer de um novo dia, um novo dia de luta pela vida.

E assim será, até ao teu último suspiro, que ditará a tua partida para um mundo melhor. Aquele mundo que todos desejam conhecer, mas que só alguns o conhecerão, e tu serás um deles… Terás direito a esse tão desejado mundo.

Nesse dia, deixarás para trás o teu cantinho, para assim, dares lugar a outro ser como tu.

Até lá, e durante a tua luta diária, passarei, respeitosamente, diante do teu canto, e irei oferecer-te, sempre, o meu mais honesto sorriso, acompanhado de um olhar, sincero, de força e admiração.

Dedico este texto a um sem-abrigo, que vive a sua luta diária num canto da nossa cidade e pelo qual tenho admiração e carinho.

Dedico igualmente aos outros como ele, sem-abrigos, que vivem nas nossas ruas, e que foram  esquecidos pelo nossos, ditos, governantes.

Sem-abrigos que lutam diáriamente pela sua sobrevivência e por um pouco de vida.

Ele, e muitos como ele, são o exemplo, vivo, de que as aparências iludem. E muito!

Quem anda, por aí, bem parecido e cheio de bens materiais, muitas vezes, são os que vivem numa pobreza imensa de espírito e coração.

E, na verdade, os pobres de bens, são milionários no seu coração e espírito.

Que Deus os ajude e proteja!

Masta Costa

Read Full Post »

Ao longo da nossa vida vamo-nos deparando com situações de carácteres dferentes.

Num dia vivemos em plena alegria, que chegamos a pensar que foi o melhor dia das nossas vidas. Esquecemos de tudo, dos nosso problemas e preocupações, vivendo em harmonia com tudo e com todos. Até chegamos ao ponto de olhar o mundo com outros olhos, os do optimismo.

Tudo parece replecto de felicidade e paz, e achamos que, finalmente, estamos a alcançar tudo aquilo que desejamos. Olhamos aos céus e agradecemos-Lhe por tudo de bom que nos está a acontecer.

Mas, logo de seguida, num outro dia da nossa vida, parece que o mundo, tudo e todos, caem sobre nós.

Aparecem-nos problemas, obstáculos, preocupações, desilusões, etc.. E somos invadidos por uma tristeza que não sabemos se a vamos suportar e como a conseguiremos suportar.  Aí, olhamos novamente para os céus, mas desta vez num pedido de auxilio e força, para aguentar e suporar tudo o que teima em colocar-nos em baixo.

Nessa fase da nossa vida, esquecemos-nos dos momentos bons que outrora passamos, e como num acto de desistència, desejamos desaparecer da face da Terra, como solução mais simples e rápida de ultrapassar e resolver os problemas.

Procuramos ajuda em coisas, em pessoas, refugiamo-nos em vicios, em medicamentos. Vale tudo nestes momentos.

Erro comum, não paramos, nem um segundo, para pensar.

Se assim o fizessemos, compreenderiamos que, se foi criado um problema, é porque com ele também foi criada uma solução. Mas, cabe a nós descobrir e desvendar essa solução.

Se nasceu ou cesceu um obstáculo, é porque há uma maneira de o derrubar ou ultrapassar. Mais uma vez, cabe a nós descobrir essas maneiras de conseguir.

Entre outras coisas que nos atormentam.

Lembrem-se que, se há um problema, há uma solução!

Contudo, esquecemos-nos de pedir ajuda e força a um ser maravilhoso que tem um poder que é capaz de tudo e que tem uma força inabalável.

Falo-vos, de um ser que bem conhecemos, e que está sempre connosco em todos os momentos da nossa vida.. Esse ser são vocês mesmos, nós próprios.

Sim!
 
Cada um de nós tem um poder e força que teimamos em guardar no nosso intimo.

E porque não usar-mos esse pode e força?

Se existe, é para ser usado.

O poder que vos falo e que vive em nós, é o poder da nossa mente. Nada é mais forte do que aquilo que a nossa mente pode.

Esse poder pode ser usado e tanto em aspectos positivos como negativos.

No campo do negativismo, as coisas acontecem o oposto ao que desejamos, ou seja, se tememos algo de mal e teimamos em pensar que esse algo nos possa acontecer, a nossa mente recebe essa mensagem e involuntáriamente, realiza o que menos desejavamos. A culpa não é da nossa mente, ela só se resume a fazer aquilo que mais pensamos e desejamos.

Caso acontece, quando desejamos algo de mal a alguém, esse mal acaba também por cair sobre nós.

Mas deixemos as coisa más e falaremos de coisas boas e que nos fazem realmente felizes.

Tudo o que desejamos ultrapassar e superar, é possivel! Se acreditarmos com Fé, que vamos ultrpassar e superar. Só a fé é capaz de desturir tudo aquilo  que nos tenta derrubar.

Se desejamos algo, atingir certos objectivos na nossa vida, será possivel. Mas somente se acreditarmos com Fé na nossa mente e que o que mais desejamos será atingido e realizado.

Se temos problemas, preocupações, etc, não vale desanimar e baixar os braços.

Como já vos disse, para todos os problemas há uma solução, e essa solução está na nossa mente, e no poder que ela tem, juntamente com a fé. Nada é possivel nesta vida sem a Fé.

Por isso, nos momentos maus das nossas vidas, vamos parar e pensar. Relaxar e falar silenciosamente, num acto de meditação, para nós mesmos.

Aí, vamos fomentar a nossa fé e acreditar que somos capazes disto e daquilo, que vamos conseguir algo, que vamos conseguir libertarmo-nos de algo, entre outras coisas.

Acreditar na nossa mente e no seu poder, é acreditar em nós, é criar a nossa força que nos levará a bom porto e ditará a nossa vitória.

Vamos lutar pela nossa felicidade e descobrir o que de bom a vida nos reserva. Para isso, temos que olhar os nossos problemas como algo temporário e algo  derrubável.

Tudo isto, graças a nós, à nossa mente e ao seu poder. Mas, só conseguirão usar esse poder se tiverem fé, a verdadeira e plena fé!

Lembrem-se;

«Tudo aquilo que somos, é o reflexo da nossa mente

Lauro Trevisan

Marta Costa

Read Full Post »

PoluiçãoEsse mal que nos atormenta todos os dias!

Desde que o Homem ganhou algum poder com as suas mãos, a Natureza, o Mundo e o Planeta, não teve mais descanso. E perdeu, desse modo, a sua saúdavel saúde.

O mais triste é que não há jeito de parar.

Toda a gente fala da poluição, dos males que existem e que são causadores da poluição, mas nem todos tomam atitudes para que isto mude.

E mesmo que tentem mudar o que de errado está, nada voltará a ser o que era, infelizmente.

Já lá vai o tempo em que ao viajarmos «mundo fora», podiamos apreciar as belas paisagens verdejantes, misturando a cidade com o campo, e deliciarmo-nos com o ar quase puro que nos rodeava…

Mas, as coisas mudaram, e ao fazermos as tais viagens de recreio, não deixamos de reparar nas, quase constantes, chaminés ao alto, a expelirem, sem qualquer vergonha, os seus gases que nos consomem o ar, e que o torna impróprio para consumo.

Poluíção que torna a beleza das cidades turva e que borrata quadros de pinturas de cidades.

Poluíção que faz esquecer aquelas belas fotografias da Natureza em que os animaizinhos e plantas dançavam juntos numa alegria que só eles entendiam.

É triste, mas é verdade…é uma realidade dura, que nos mata por dentro, e destroí o que de belo tinhamos, o nosso Planeta.

Talvez haja pessoas que não liguem muito a este tema, talvez porque pensem que já cá não estarão quando as coisas tomarem proporções catastróficas, que poderão colocar em risco a existência Humana.

Mas essas mesmas pessoas poderiam, pelo menos, pensar nos outors, nos próximos. Naqueles que ficarão cá, e naqueles que virão num tempo ainda por vir…

Se as coisas continuarem como hoje em dia, esses futuros habitantes do nosso planeta, terão uma vida horrenda, sem água, sem ar puro, sem animaizinhos, que sem culpa entrarão numa global extinção, sem vegetação.. ou seja.. sem Natureza em geral..

Isto é, se a raça Humana também não entrar em extinção!

É uma triste realidade que nos persegue todos os dias… até o dia em que seremos apanhados!

Marta Costa

Read Full Post »

DesilusãoA desilusão é um sentimento que faz doer o coração.

Coração que fica arrasado e desfeito, sufocado em tanta dor que me atormenta por dentro.

Dentro de mim jaz a mágoa de não perceber o porquê de tanto ódio, que um dia me pareceu ser amor.

Amor? Nos olhos, que me falaram nesse dia, só vi o ódio, e raiva nas palavras que até hoje estão gravadas na minha mente.

Essas palavras foram facadas no peito, que me entraram no coração e me rasgaram a alma.

Alma minha, que hoje vives num silêncio escuro, mas em gritos de dor. Dentro de mim, ela sente-se segura, tem medo do mundo, do nosso mundo.

Mundo nosso que com tanta saudade me mata e tudo que um dia senti.

Senti que o mundo me fugiu dos pés, caí no abismo da dor… Que deixaste de sentir?

Sentir algo que um dia me encheu o coração, que era uma dádiva de Deus.

Deus esse que me acompanha dia-após-dia, e , pergunto-lhe se te terei comigo novamente, senão não vale a pena viver.

E sabes que me respondeu? O que não vale a pena é estar à espera da morte, é preciso lutar, isso é que vale a pena.

Lutar por aquilo que acreditamos que nos faz realmente feliz. Feliz?

Felizes os que constroem a Felicidade em alicerces de amor verdadeiro, portas de carinho e janelas de beijos, sem nunca plantar a Felicidade deles sobre a infelicidade de ninguém.

Pois ninguém merece a infelicidade de viver uma desilusão que surge da forma mais surpreendente que nunca pensei.

Pensei, sim, que esse sentimento só existia em livros. Livros que explicam que há meios que não justificam os fins…

Fim esse que eu jamais quero saber o significado… não do teu lado!

Marta Costa

Read Full Post »

Older Posts »