Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘sol’

Recordações FuturasBem cedo, num dia em que o sol já mantinha os seus raios luminosos, bem aquecidos, a iluminar mais nascer de dia, na vida de cada pessoa, dou comigo a despertar, antes da hora prevista pelo despertador, e a começar mais este novo dia, que me é apresentado.

Desta vez, ele começara bem diferente do habitual, pois o calor matinal, fora de época, convidou-me para uma saída da rotina, bem antes do trabalho.

Tirei um tempinho, só para mim!

O dia estava maravilhoso com um sol, bonito e quente, a despertar os passarinhos em cantos de alegria, e com as árvores a dançar ao som dessa melodia, com as suas folhas primaveris.

Tudo brotava harmonia e vida!

Depois de uma, bela e saudável, caminhada a pé, pela cidade barulhenta, dou comigo sentada numa esplanada, a saborear o tempo, acompanhada de um curtíssimo e forte café.

Enquanto isso, e em contradição ao meu estado de espírito, calmo e sossegado, passam por mim pessoas numa correria, constante e frenética, ansiosas em chegar aos seus locais de trabalho.

No entanto, e apesar daquele cenário stressante, não me deixo abater nem afectar pelo turbilhão de estados de espírito e de sentimentos.

Muito pelo contrário, deixo-me ficar na minha pacificidade, enquanto observo atentamente, a cada segundo, o stress a guiar cada pessoa.

Idosos, adultos, adolescentes e crianças, todos passam por mim, e olham-me como uma estranha.

Olham-me como mais uma, mera, pessoa à face da Terra.

Contudo, mesmo que eu lhes pareça uma estranha que, simplesmente, toma o seu café numa esplanada, todos eles têm um significado para mim.

Um significado, meramente pessoal, que começa pelas crianças e adolescentes, passando pelos adultos e que terminando nos idosos.

As crianças, porque me levam à infância, que um dia eu vivi.

Uma infância, onde os momentos eram vividos na partilha de emoções, entre brincadeiras e aventuras. Algo típico da inocência da idade, onde as responsabilidades não passavam de um simples escovar de dentes, e de um arrumar de brinquedos após um dia, cansativo, de brincadeiras e aventuras.

Uma época, em que somos o centro das atenções, de tudo e de todos.

Passada esta fase, deixamos de ser apenas crianças, e tornamo-nos crescidos.

É chegada, então, a adolescência.

Tempo, em que as brincadeiras já se tornam menos frequentes e mais crescidas.

Os adolescentes, levam-me a recuar um pouco no tempo, lembrando e recordando a época da adolescência, onde já se começava a desenhar, em rascunhos, o caminho da vida e de um futuro.

Aqui, as responsabilidades já se tornam mais significativas, que vão de um obter de boas notas nos estudos, passando pelo ajudar nas tarefas familiares, e de um chegar sempre a horinhas a casa, quando começam as saídas com os amigos.

Responsabilidades básicas que, naqueles tempo, eram motivo de contestação e birra, mas que com o passar do tempo tomamos consciência que são um treino, saudavelmente fácil, para o que nos esperava a seguir.

É uma época, em que já não somos o centro, total, das atenções, mas sim o começo de uma partilha de atenções para com as pessoas que caminham ao nosso lado, e que marcam a nossa fase da adolescência.

Passada a adolescência, encontro-me a olhar para os adultos.

Fase, em que todas as responsabilidades se multiplicam e dificultam.

Um tempo, em que nós dependemos de nós mesmos, e onde a nossa independência é influenciada pelo assumir e cumprir de responsabilidades.

Aqui, somos nada mais, nada menos, que lutadores do jogo da vida. Lutamos, diariamente, para atingir os nossos objectivos e é chegada a altura em que começamos a construir as bases, sólidas, da nossa vida para um futuro.

Inspirado em todas as aprendizagens e vivências, adquiridas ao longo do tempo.

Já não somos o centro das atenções, e a partilha dessa mesma atenção acentua-se, pelo compromisso de cada relação.

Seguida essa estação, chegamos a um patamar, hierarquicamente, superior a todos os outros.

Um patamar, em que a vida já se tornou em algo que nos é mais conhecido, do que qualquer outra coisa, de tão grandioso ser o acumular de experiências.

Os idosos, são seres sábios no que diz respeito à ciência da vida.

Ninguém, melhor que eles, sabe o que é realmente a vida, e o que é lutar por ela.

Agora, vejo-me a olhar para um idoso que, calmamente, passa por mim. E, ao olhar-me solta um simples, mas honesto, sorriso.

Enquanto isso, sinto o quanto me orgulho em ver que aquele idoso, como outros tantos, sobreviveu vitoriosamente às dificuldades, e aos obstáculos da vida.

Para, no final, poderem deixar as responsabilidades, de outros tempos, de lado, e viver com aquilo que construiu e adquiriu, ao longo da vida.

Sabedoria, vivências e vitórias.

São os troféus recebidos, nesta vida que, a cada dia que passa, nos dificulta cada vez mais os passos dados na nossa caminhada.

Nesta fase final, não recordo o passado, pois ainda não me pertence, mas penso e imagino o futuro.

O futuro, em que eu serei mais uma idosa, no grupo dos idosos.

O que serei?

O que terei?

Como parecerei?

Bem, isso só saberei daqui a uns longos anos, e se Deus assim o permitir.

Até lá, vou vivendo o presente com base nas aprendizagens do passado, e sempre com o pensamento no futuro.

Futuro esse, em que eu serei, quem sabe, mais uma vitoriosa neste jogo. No jogo da vida!

Marta Costa

Read Full Post »

MelodiaNum dia, muito chuvoso, em que o sol teimava em não nos aquecer com os seus braços quentes, parei no tempo a observar cada gota que caía, repetidamente, no chão molhado.

Desliguei-me de tudo o que me rodeava, e silenciei o barulho, incansável, de uma cidade atarefada.

Sons, que como num toque de magia, cessaram em favor de uma melodia suave e doce, que outrora se camuflava por entre a poluição sonora da cidade.

Melodia desconhecida, voluntariamente, por cada pessoa que vive, dia após dia, no turbilhão de momentos das suas vidas.

 

Ao longo do tempo que, com gratidão e agrado, dispensei para ouvir esse som melódico, deparo-me com uma realidade que antes não me era tão evidente assim.

Apercebo-me, então, que a melodia que oiço, é exclusivamente dedicada a mim.

Só minha!

Como poderei eu, simples mortal, rejeitar uma oferta da Mãe Natureza?

Simplesmente, não posso!

Nem quero, pois é algo que me enche de alegria e que me faz entender, e sentir, que sou amada por quem me criou.

Ironicamente, ouvem-se nas rádios, conversas musicais, entre pessoas que com ignorância ou desconhecimento, escolhem músicas como troféus das suas vidas.

Dedicam músicas a terceiros, e a elas próprias, com a justificação de ser a música das suas vidas.

Estas mesmas pessoas, só o fazem porque desconhecem que, na realidade, a música da vida delas, já nasceu com elas, e as vai acompanhando a cada passo dado no caminho da vida.

Música, que jamais fora inventada por um músico, que brinca com as palavras, e que as vai conjugando em frases que ao som de muitos instrumentos, formam musicalidades que com o tempo, todos os que a ouvem, vão decorando a letra, e a vão cantando de cor e salteado.

No entanto, há uma música da qual cada um de nós é o único autor e só nós, no nosso íntimo, podemos interpretar e decifrar cada letra e cada palavra.

Simplesmente, composta por uma melodia tão natural como qualquer coisa criada pela Natureza.

E, que só a nós pertence, e só nós temos o poder de a criar e de a entender na sua plenitude.

Nessa melodia, não há terceiros para ser criada, nem instrumentos para ser acompanhada.

Como é criada pela Natureza, para cada seu filho, ela é composta unicamente por elementos naturais, como os chilrear dos passarinhos, o cair das folhas, o som de cada gota de chuva a cair suavemente no chão, entre muitas outras coisas tão naturais.

Eu, tu, e toda a gente, tem a melodia da vida!

Para ouvi-la, basta encontrar o silêncio, puro e natural, e deixar que a melodia da vida comece a tocar, por nós.

Tal como qualquer música, ela tem os seus momentos de desafinação, que mais cedo ou mais tarde, encontra a afinação correcta para, assim, se tornar numa bela e doce melodia.

Desafinações, que são reflexos dos momentos menos bons da nossa vida, que com o tempo e com muita força de vontade, se tornam em acordes afinados, reflexos dos bons momentos da nossa vida.

Altos e baixos, são os acordes que compõe a melodia da nossa vida, e só depende de cada um de nós, com ensaios de vida, manter os altos e enfrentar os baixos, para que a nossa vida se preencha de bons e agradáveis momentos.

Por conseguinte, esse preenchimento de bons momentos, transformam a nossa simples melodia, plenamente maravilhosa e doce.

Ela depende de nós para ser bela, e para durar mais do que os banais cinco minutos, de cada música ouvida na rádio. Ela pode durar uma eternidade, só depende de cada um de nós, pois só nós somos os compositores, os vocalistas e os maestros da nossa melodia da vida.

Apenas, e exclusivamente, temos o papel principal de a tornar na melhor melodia, que jamais fora tocada aos ouvidos e coração dos outros.

E assim sendo, durante a nossa vida, os ouvintes, as pessoa que nos rodeiam, aprendem a ouvir também elas a melodia da vida e, assim, a tornem cada vez melhor para que, ao som da sua melodia, encontrem o troféu mais desejado, a felicidade.

Tu, vocês, e todo o mundo, deixem entrar a melodia, e que ela preencha os vossos corações de alegria.

Só dessa maneira, poderão corrigir o que há de desafinado na vossa vida.

E, para que no final, todos possam ver que a melhor melodia do mundo, é a das vossas vidas.

Marta Costa

Read Full Post »

sobrevivenciaO dia começou bem cedo, e lá no alto o amigo Sol já espreita por entre as núvens, que adivinham formas nos nossos pensamentos.

 

 

 

Cá em baixo, a azáfama das pessoas já é notória, a cada passo dado nas ruas da cidade.

Todos correm de um lado para o outro, com as suas faces a expressarem sonolência e contradição em voltar a mais um dia de stress de trabalho.

As suas expressões são reflexo dos seus pensamentos, que teimam em as acompanhar naquela correria toda.

De um lado para o outro, a agitação é vivida entre a poluição atmosférica de cada cigarro, e sonóricamente pelos buzinares impaciêntes dos carros que formam filas infinitas nas ruas que deliniam a cidade.

E, no meio de tanta confusão, lá estás tu!

Num canto escolhido por ti, num canto só teu.

Estás tu sentado sobre o cimento sujo e frio, do qual dedicas todas as horas do teu dia.              

E lá estás tu!

Com o teu ar cansado e ferido do tempo, que foi dificilmente duro para contigo. Os teus olhos sem brilho inquietem-se de um lado para o outro, num movimento de observação constante às pessoas que por ti passam.

O teu corpo sujo e cansado, teima em não se mexer, e obriga-te a ficar aí, encostado no teu canto das lamentações.

Pobre de ti!

No meio de tanta alma, sentado no canto só teu, tentas, com humildade, chamar a atenção de quem passa por ti e que teima em não te oferecer um simples olhar, ou um honesto sorriso.

Contudo, não estás só!

Em tua companhia está um ser puro e meigo que não desiste em partilhar contigo as horas que compõem o vosso dia.

E lá está ele!

Sempre aninhado a teu lado e a olhar-te com admiração e carinho.

Admiração, por continuares a tua luta diária pela vida, que um dia foi cruel contigo. E carinho, porque um dia lhe consideraste como amigo, e partilhaste o teu cantinho com ele. Para que juntos, e unidos, possam lutar por cada dia das vossas vidas.

E lá continuas tu!

A tentar, com humildade, cativar o olhar deste e daquele, que cruza no teu canto. Mas, infelizmente, não tens tido muito sucesso.

Embora, em certos momentos, apareça uma alma que te dá um pouco de atenção e, desse modo, enche o teu coração de alegria e esperança.

Lamentavelmente, no momento seguido a essa alegria, surge outra alma que te olha com pena e desprezo.

E nesse mesmo instante, consegue fazer com que a tua alegria desapareça, dando lugar à frustração e à vergonha.

Vais-te a baixo!

Consequência disso, abrandas a tua força de esperança, e ficas aí sentado apenas a desabafar com o teu amigo inseparável.

No meio de tantos desabafos e lágrimas, como de que transmissão de pensamentos, esse teu amigo, sincero amigo, transmite-te uma nova força e vontade de lutar, tamanha é a expressão do seu olhar.

Sim, ele é a tua fonte de energia!

Com isso, logo de seguida, levantas os olhos ao mundo, e continuas a luta pela vida, ou por um pouco de vida.

Apesar de tudo, é bom ver e saber, que ainda há pessoas fortes de espírito e com força de lutar, independentemente da situção e condição.

Pessoas que, tal como tu, não baixam os braços por causa de olhares penosos e desprezíveis, de pessoas que só o fazem porque na realidade têm medo. Medo de um dia serem como tu.

Temem só pelo teu aspecto, pelo teu ar, pois no que toca ao teu dom interior, é algo que elas admiram por não o possuírem. Consequência de não sabem lutar pela vida, tal como tu.

Chegada a hora limite do dia, todos se recolhem em suas casa com as suas familias.

E tu continuas aí!

Continuas no teu canto, com a tua familia, o teu amiguinho e companheiro de luta. Aí ficas à espera de mais um nascer de um novo dia, um novo dia de luta pela vida.

E assim será, até ao teu último suspiro, que ditará a tua partida para um mundo melhor. Aquele mundo que todos desejam conhecer, mas que só alguns o conhecerão, e tu serás um deles… Terás direito a esse tão desejado mundo.

Nesse dia, deixarás para trás o teu cantinho, para assim, dares lugar a outro ser como tu.

Até lá, e durante a tua luta diária, passarei, respeitosamente, diante do teu canto, e irei oferecer-te, sempre, o meu mais honesto sorriso, acompanhado de um olhar, sincero, de força e admiração.

Dedico este texto a um sem-abrigo, que vive a sua luta diária num canto da nossa cidade e pelo qual tenho admiração e carinho.

Dedico igualmente aos outros como ele, sem-abrigos, que vivem nas nossas ruas, e que foram  esquecidos pelo nossos, ditos, governantes.

Sem-abrigos que lutam diáriamente pela sua sobrevivência e por um pouco de vida.

Ele, e muitos como ele, são o exemplo, vivo, de que as aparências iludem. E muito!

Quem anda, por aí, bem parecido e cheio de bens materiais, muitas vezes, são os que vivem numa pobreza imensa de espírito e coração.

E, na verdade, os pobres de bens, são milionários no seu coração e espírito.

Que Deus os ajude e proteja!

Masta Costa

Read Full Post »

A CidadeCidade, onde eu moro e onde eu quero deixar morada!

A minha cidade, o Porto.

És uma caixinha de supresas onde posso guardar e encontrar coisas que só eu entendo.

Tu, que guardas um passado só teu e que albergas inumeras pessoas, todas elas com fisionamias diferentes, mas não te importas… e prova disso, é que todos os dias tentas dar o melhor de ti a cada uma delas.

Só tu, consegues cativar-me a sair de casa e a percorrer, sem destino, o teu corpo, cheio de linhas, as estradas.

E, desse modo, vou apreciando tudo aquilo que tens para me presentear…

As pessoas, que em ti habitam e que vão dando continuidade à tua existência.

As casas, algumas bonitas, outras menos bonitas, mas todas unidas, como uma familia global.

Os jardins, apesar de cada vez haver menos espaços verdes, os que ainda sobrevivem em ti, dão-te beleza natural o que te faz ainda mais bonita.

As pontes, que são elos de união entre partes do teu corpo e que nos permitem apreciar-te de um ponto alto em que tudo em ti parece diferente… desse modo, dás-nos então, uma visão magnifica de ti.

As estátuas, que são como sinais do tempo espalhados pelo teu copo. Tempo esse, que passou por ti, e que deixou as suas marcas.. e em memória disso e daqueles que ajudaram a desenhar o teu corpo, e para que não caia no esquecimento, eis a razão desses teus sinais, as estátuas.

Os rios, as tuas veias, que te abraçam rumo ao mar, onde, se entregam em ondulações constantes.

Os teus segredos, mas, esses, sõ são visiveis à noite. Onde te tornas explendida de brilho e luz. É à noite que me atrais ainda mais, e não resisto em sair para ver como és na ausência do sol e na presença da lua…

E, aí fico encantada, pois és ainda mais bonita debaixo de um céu escuro e repleto de estrelas onde a lua toma o papel principal.. o de te iluminar e mostrar a todos nós o quanto és bela.

Mas, há algo que te sufoca, algo que quer matar o que tens de belo… e esse algo, todos nós sabemos o que é… a maldita poluíção!

Marta Costa

Read Full Post »

LuaQue nome mais bonito… Lua.

Porque te designaram como um simples satélite? «Satélite», que palavra tão vazia para ti, que és plena de beleza e brilho.

Eu prefiro designar-te como minha amiga.. a minha amiga Lua.

Tu, que escondes parte da tua beleza nas tuas fases, mas mesmo assim consegues que a minha admiração por ti continue sempre a aumentar.

Quando não te vejo, as minhas noite parecem tristes, pois para que se consiga desenhar um quadro da noite perfeita, tem que ter a marca da tua presença.

Presença essa que me enche de alegria e brilho!

És aquela amiga a quem eu sei que posso confiar os meus segredos pois jamais os desvenderás a alguém.

Tu que sofres em silêncio, a ausência de um amor, mas mesmo assim continuas deslumbrante a cada noite..

Amor esse, que só é possivel a cada eclipse, onde encontras, finalmente, o teu amado, o Sol..

Mas que amor tão sofrido o vosso..

Se o vosso amor é assim tão luminoso, porque o trais?

Porque o trais com o mar, ao te entregares todas as noites a ele.. em reflexos de luz, em que só vocês conhecem a línguagem desse amor…

Contudo, amiga Lua, esse será o nosso segredo…

Nunca o contarei a ninguém, nem mesmo ao meu amigo Sol, pois sei que iria sentir-se triste, e deixaria de ter o poder de aquecer e iluminar os meus dias.

Em mim ficará para sempre o teu segredo… o segredo da Lua!

Marta Costa

Read Full Post »

longeComo é o meu dia sem ti?

Igual! Igual a todos os outros..

Quando não estás do meu lado, o  meu dia mantém-se igual, lindo e magnifico, com o Sol sempre a sorrir para mim. Pois sei que no final desse mesmo dia, poderei voltar para os teus braços, que é onde eu pertenço.

Sem ti do meu lado, o mar não se altera, continuando com a sua força infinita. Tal e qual o nosso amor, pois mesmo separados, o amor que nos une, não perde o seu poder.

Na tua ausência, a minha vida continua ligada a um destino, o nosso destino, e os meus passos continuam iguais, sempre em direcção a um só caminho.. o da nossa Felicidade.

Quando não estás comigo a Natureza nada perde, e o seu perfume continua constante, pois é nele que está guardado em segredo, o aroma do teu corpo.

O meu dia, sem ti, é sempre igual… O que muda são as saudades…

Mato as saudades,  junto do mar, para me recordar do quanto o nosso amor é forte e intenso!

E na companhia do Sol, a tocar-me no corpo para o aquecer.. Mas isso aumenta ainda mais as saudades. Pois cada raio de Sol que sinto a tocar em cada ponto da minha pele, faz-me lembrar o toque suave e terno  das tuas mãos..

E depois aparece a brisa, trazendo lembranças da tua voz doce e meiga, a sossurrar-me ao ouvido aquelas palavras de amor e carinho que só tu me dizes.. como é bom!!!

Estás sempre presente em cada  pedacinho da Natureza…

O que sou sem ti?

Sou a mesma de sempre.. Nada muda..

Quando não estás comigo continuo a suspirar, pois sei que também suspiras comigo, numa sintonia de amor correspondido.

Sem ti do meu lado, o meu coração bate a cada segundo, gritando, a cada ciclo sistólico, o teu nome, sempre desejoso que chegue a hora de poder reencontrar a pureza e consolo do teu coração..

Quando não estás comigo, continuo a sorrir a cada instante, porque ao ver-me sorrir, consigo, igualmente, ver-te sorrir.. só tu alimentas o meu sorriso.. és a metade do meu sorriso.

Na tua ausência continuo a dedicar-te horas infinitas de amor verdadeiro, minutos eternos de respeito e segundos sofredores de saudades…

Sim, sem ti nada muda em mim, pois tu estás sempre comigo, sempre dentro do meu/teu coração..  Só a ti ele pertence e só o teu nome está lá gravado!

Estás sempre em mim….

Mas como me fazes falta…

Sei que tudo muda… quando chega, finalmente, a noite.. Onde poderei caminhar até ti, até onde me sinto completa e segura.. já que és, sem quaisqueres dúvidas, o meu porto de abrigo!

E juntos, dedicamos cada momento da noite a nós… Só a nós!

Mas sempre banhados com a presença da nossa amiga e testemunha do nosso amor, a Lua…

Só ela sabe que somente tu alimentas o meu corpo, que só tu dás o verdadeiro brilho aos meus olhos, e a verdadeira vontade de sorrir…

Só ela… é que sabe o quanto te amo e o quanto me fazes feliz…

E a ti..

Agradeço por TUDO que tens feito e especialemte por seres quem és, de coração!

Obrigada por construires comigo a nossa vida, e por caminhares sempre do meu lado, de mãos dadas, no caminho, só nosso, rumo à Felicidades.. à nossa Felicidade!

Marta Costa

Read Full Post »

momentoEnquanto vivemos o nosso dia-a-dia, nunca nos interrogamos, ou paramos para pensar, o que se estará a passar neste momento noutro lado do mundo com outras pessoas.

Sim..

Neste momento…

Em qualquer parte do mundo é de noite e as estrelas iluminam os sonhos de muitas pessoas,

Como também,  está a nascer um novo dia em que o sol brilha e aquece incansávelmente as pessoas,

Alguém  poderá estar a observar as nuvens e a tentar, dessa forma, decifrar os diferentes desenhos que elas, juntas, formam lá bem alto, no céu,

Algures, estão pessoas a rir, como também a chorar,

Pessoas a amar como também  a sofrer,

Pessoas a acordar e pessoas a cairem num sono profundo,

Pessoas a nascer no mesmo instante em que outras estão a morrer,

Pessoas atormentadas pela fome enquanto outras vivem no desperdicio da abundância,

Pessoas vivendo em guerra enquanto outras agradecem pela paz,

Pessoas a desabafarem alegrias de amor enquanto outras passeiam junto ao mar largando lágrimas de amor sofrido,

Animaizinhos a explorarem o seu novo lar enquanto outros são abandonados cruelmente,

Alguém procura estar um pouco sozinha enquanto outros sofrem por viver na solidão…
Mas neste momento, em qualquer parte, estás tu, caro amigo, a ler o meu blog..

Tu que eu desconheço, mas que certamente partilhamos o mesmo sentido de vida… Viver momento após momento, aproveitando cada segundo das nossas vidas!!!

Marta Costa

Read Full Post »

Older Posts »